Desembargadores comprados

Desembargadores comprados

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

1o Mundo

Ontem eu relatei a minha experiência com um assalto, que acabou com a prisão de 3 delinquentes. Eu volto ao assunto para relatar algo que eu nem imaginava que pudesse acontecer.

Recebi nesta manhã mais um telefonema da polícia de Londres. Desta vez eles estão oferecendo apoio emocional ou qualquer outro apoio que seja necessário por eu ter sido vítima de um assalto que não teve nenhuma consequência grave, a não ser alguns minutos de stress.

Eles não fazem idéia de que nasci em um país onde matar uma criança é algo comum. Retirar os órgãos quando ela ainda está viva, não faz diferença nenhuma. Eles não fazem idéia o que é fazer o papel de polícia, investigador, promotor, instalar uma CPI e se defender de inúmeros ataques vindos de todas as direções, por ter denunciado o caso. E não por causa de um assalto sem consequências, mas pelo assassinato de um filho.

Se eles conhecessem 10% da minha história, me convidariam para ministrar palestras as outras vítimas. 

Em nenhum momento, durante estes 14 anos de luta, eu recebi sequer um telefonema para saber se estavamos bem, ou se precisavamos de algo. Quando fui obrigado a deixar o país, o caso foi abafado. A imprensa não falou no assunto, como até hoje não fala abertamente. Limita-se a publicar pequenas notas superficiais como se a gravidade do assunto não existisse. Como se fosse um mero assalto sem maiores consequências. 

Existem milhares de ONGS em defesa dos direitos humanos, mas todas elas estão preocupadas com os que matam e não com os que morrem. E quando se preocupam é porque tem uma bandeira política, como é o caso do Amarildo. Se não fosse isso, o caso Amarildo sequer seria investigado.

Estou dividindo aqui a experiência de viver no 1o mundo, onde você e seu bem estar é importante para a nação independente de quem seja a vítima ou o bandido. Fiz questão de registrar neste blog a forma como tratam as pessoas aqui no exterior. 

No Brasil, vítima é sinônimo de bandido. Quem é estuprada, é vista como provocadora. Quem é assaltado é visto como otário. Quem é morto é visto como monetarizador dos sofrimentos. 

Sinto muito em dizer isto e sei que provocarei a ira dos mais fervorosos patriotas brasileiros, mas a verdade é que o Brasil não liga a mínima para os seus cidadãos. 

Um comentário: