Desembargadores comprados

Desembargadores comprados

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Médicos serão obsoletos em alguns anos.

Quando você vai ao médico, a primeira coisa que ele faz (ou deveria fazer) é solicitar alguns exames. Atualmente estes exames são realizados por computadores em sua grande maioria. Os exames mais precisos, pelo menos, o são. 

Com os resultados em mãos, os médicos indicam o tratamento, o remédio, ou o caminho a ser percorrido para a cura, quando há possibilidade. Você segue a recomendação a risca, toma os medicamentos e encontra a cura! Então vai ao médico e o transforma em Deus: Ajoelha-se e agradece por ele ter devolvido a sua vida. 

Mas na verdade, você deveria agradecer a quem produz os computadores e os softwares. Mas nem sabe disso. Para você, o médico é o mágico. Só que sem os exames, o médico não é nada. Pouco pode fazer por você. 

Exemplo disso é o Google que você já utiliza várias vezes por dia e nem se dá conta. Eles estão desenvolvendo uma pílula que detectará cancer. 
Em uma conferência realizada nesta terça-feira na Califórnia, Andrew Conrad, chefe científico do Google X, explicou que as nanopartículas da cápsula devem conter um material magnético, além de anticorpos ou proteínas capazes de ligar-se a diferentes moléculas do organismo. Assim, um dispositivo portátil usado pelo paciente poderia, por meio de sensores, recolher as informações das nanopartículas, interpretá-las e descobrir se há alguma atividade anormal no corpo do indivíduo. 
“Como o núcleo dessas partículas é magnético, você pode identificá-las em qualquer lugar do corpo. Essas pequenas partículas se espalhariam pelo organismo e, depois, nós as reuniríamos de volta em um lugar e perguntaríamos: ‘Então, o que você viu? Você encontrou um câncer? Você identificou algo que se parece com um quadro de ataque cardíaco? Você encontrou excesso de sódio?’”, disse Conrad. 
De acordo com o Google, o projeto da cápsula para detectar o câncer está em fase inicial, e estima-se que as pesquisas serão concluídas em cinco a sete anos. 
Mais uma vez, uma empresa com especialidades em tecnologia está avançando na busca de soluções para os problemas humanos. Esta tarefa deveria ser de médicos cientistas que atuam em empresas farmacêuticas. Mas eles estão ocupados em obter lucros com vacinas pouco eficazes (que muitas vezes provocam tragédias em crianças como o caso das vacinas para HPV), e desenvolvendo remédios que não curam, mas escondem os sintomas. 

O médico de hoje não é humano como eram os médicos do passado, pois aqueles precisavam se conectar ao paciente emocionalmente para descobrir os males que o afetavam. Hoje o médico é um mero interpretador de resultados e mediante a uma pequena comissão, prescreve alguns medicamentos produzidos pelos seus - digamos - clientes (as indústrias faramacêuticas). Várias reportagens já alertaram sobre médicos que recebem percentuais sobre cada venda de medicamento proveniente de suas prescrições. 

Não é a toa, que médicos são considerados profissionais de alto poder aquisitivo. Nenhuma profissão hoje é tão bem remunerada quanto a de médico. Para se ter uma idéia, uma criança a beira da morte, que precisa de um transplante de fígado, pode fazê-lo nos EUA pela bagatela de R$ 2 milhões de reais. E se não tiver dinheiro, não faz. Morre. O que em uma cirurgia como esta pode custar tanto? 

O ultrasson foi desenvolvido para pesquisas de solo, e depois foi adaptado para a medicina. Um aparelho ultrasson para pesquisas geológicas pode custar algo em torno de 10 mil dólares. A mesma tecnologia, se empregada para humanos, é vendida por 10 vezes mais. 

A medicina tornou-se um grande negócio, principalmente porque não garante o resultado. Se o médico não curá-lo, você terá de pagá-lo da mesma forma, sem qualquer desconto. Não há qualquer obrigação por parte do médico em empenhar-se no seu caso. Por isso as consultas não duram mais que 10 minutos, já que os convênios não pagam o desejado pelos doutores.

A próxima geração ainda dependerá de médicos, mas esta profissão está com os dias contados. Em breve a tecnologia, além de diagnosticar a doença, apontará com mais eficácia o tratamento e os remédios a serem utilizados. Graças a tecnologia, e não aos médicos.

7 comentários:

  1. Bem assim! Aceito ser cobaia do Google, sem custos (rrsrsr)
    Sobre cobrar e não dar a contrapartidda esperada, pior complicando a vida mesmo de quem pode pagar fortunas, basta uma busca no Google: Reclame Aqui + Sírio-Libanês... Fatura de 800 mil e o pai que entrou vivo para uma cirurgia, sem infecções, pegou uma no hospital que o levou à morte. Não assumem que a infecção foi responsabilidade do hospital, embora até o médico admita que o paciente não tinha nada e que os exames comprovam... O médico é o mais famoso de SP. O filho está processando o SL, mas já avisei pra ele que pode perder a esperança de ver o resultado e que se queira ver o que é calvário contra médicos e hospitais que passasse aqui pra ler...

    A melhor especialidade médica, além daquelas que são mais softs como dermatologia, ortopedia, pediatria e plástica, é a oncologia. O médico nunca é cobrado pela não-cura, afinal, os cânceres são assim mesmo, praticamente mortais, e no final eles só aplicam paliativos para dor...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lia. O cidadão que está processando o SL pela morte do pai infelizmente vai bater de frente com a organização dos 3 pontinhos a qual se faz presente nas diversas esferas do Judiciário de São Paulo, ou seja, ele vai penar muito para obter uma vitória contra a direção do SL.

      Excluir
  2. Você tem razão no que se refere a tecnologia. Os avanços da medicina na realidade foram de outras ciências como a física e a química. Mas, asseguro a você que há uma corrente médica tentando resgatar um pouco de humanismo dentro da arte de curar. Falo isso porque sou médico, formado há 20 anos e decepcionado com a "medicina" atual que não cura ninguém. Há correntes médicas como a medicina Antroposófica, que procuram ter uma visão do Ser Humano, não da doença.
    Abraços, Eduardo.

    ResponderExcluir
  3. Caro Eduardo. Tenho certeza de que existem muitos médicos com boa vontade de fazer o melhor para o paciente. Mas infelizmente não é a regra. A regra é enriquecer, ganhar muito dinheiro, e obter o maior lucro possível dentro da medicina. Os médicos brasileiros estão presos a um conselho de medicina nazista por natureza. O corporativismo destrói qualquer tentativa em se fazer uma medicina melhor. Os bons pagam pelos maus. Tente denunciar um colega hoje e vai entender o que estou dizendo. Abs

    ResponderExcluir
  4. Amigo Pavesi,
    aqui é o Braguinha, seu amigo cearense.
    Eu sou prova disso que vc escreveu. Qd eu tive pedra na vesícula, pesquisei no Google e soube o que era a doença antes do médico, ele apenas confirmou. Creio que a maioria da população consulta antes o Dr. Google para depois ir no médico. E outra coisa: os cientistas são quem descobre as doenças, e não os médicos. Eu mesmo só acho necessário ainda para operar, pq no dia a dia as auxiliares de enfermagem trabalham bem mais que eles.

    ResponderExcluir
  5. Considerações: quem escreveu isso parece ser rancoroso. Quem escreveu isso não entende nada de medicina. Quem escreveu isso, pelo jeito, está precisando de ajuda...e muito!!
    Espero que vc tire esse rancor de seu coração.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom Carolina!!! Quando não temos agurmentos, chamamos o oponente de maluco. Por pessoas como você médicos já deveriam estar obsoletos há muito tempo. Mas é uma questão de tempo. As coisas já caminham para este final feliz.

    ResponderExcluir