Desembargadores comprados

Desembargadores comprados

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Desvendando os doadores de órgãos

Quem viveu a adolescência na década de 80 certamente ouviu a Blitz. Em uma de suas músicas, Evandro Mesquita sentenciou:
"Eu não queria falar mas agora vou dizer: Todo mundo quer ir para o céu, mas ninguém quer morrer!"
Verdade! Todos querem o céu, mas ninguém quer morrer.

Ontem eu acabei por entrar em uma página do Ministério da Saúde no Facebook, sobre doação de órgãos e me lembrei desta música. A grande maioria esmagadora se declara doadora de órgãos. Poucos são os que tem coragem de dizer que não são doadores. E quando fazem isto são severamente atacados, chamados de ignorantes ou de egoísta.


Quando este não doador diz que o motivo é o tráfico de órgãos, ai a coisa pega! Ignorante é pouco. São fortemente atacados por pessoas que dizem que isto não existe e que o Brasil é o país mais sério do mundo em relação a transplante de órgãos. Geralmente os ataques são feitos por pessoas que já receberam um órgão ou por estudantes de medicina. Humilham as pessoas dizendo que elas devem se informar antes de falar besteiras. São os donos da verdade.

Já existe um roteiro para combater estes comentários. Funciona assim.

- Eu não doarei meus órgãos porque soube de uma máfia que atua no Brasil.

- Você é um ignorante, egoísta, insensível! Isto não existe! Vai se informar!!

Então o dono do post replica:

- Eu fui me informar e li estes casos publicados nos jornais sobre um grupo em Taubaté e Poços de Caldas?

- Ahhh..... isto é um caso isolado. Isto não acontece assim todos os dias. Quando você sai na rua pode ser atropelado, então não vai mais sair na rua?

Neste ponto a "especialista" confirma que tráfico de órgãos existe, ao contrário do que disse anteriormente. O argumento utilizado é simplesmente ridículo. Todos precisam sair as ruas, mas obviamente ninguém quer ser atropelado. Então, se há o risco de ser atropelado, justifica eu me tornar doador mesmo havendo máfias de órgãos?

Mas o não doador é firme e insiste:

- Se eles souberem que eu sou doador, não farão o possível para me salvar.

- Nossa!! Como você é ignorante. Você acha que alguém vai deixá-lo morrer só porque você pode ser doador? Saiba que a doação não faz diferença entre rico e pobre. Todos são tratados iguais.

Bom. Como sempre sou obrigado a mostrar a verdade com fatos, e não com argumentos. Há poucos dias Luciano Huck e Angélica sofreram um acidente aéreo. A família foi levada para um hospital do SUS que não tinha vagas na UTI. Em poucos minutos uma equipe de médicos conseguiu atender a família que foi submetida a exames como Tomografia e toda a assistencia negada a maioria da população. Há o relato de que uma senhora com infarto morreu quando deram a prioridade a família Huck. 

Lendo isto, você acha mesmo que não há diferença de classes no atendimento público? Você acha que se hoje for ao hospital será tratado como a família Huck foi? E se você entra em emergência no hospital, você acha que todos os esforços serão feitos para te salvar, ou você morrerá como a senhora que teve um infarto?

O SUS é tão bom que a família Huck achou melhor refazer os exames no Albert Einstein?

O não doador tem uma série de argumentos para não doar. Nenhum deles é aceito. Todos os argumentos, por mais sinceros que sejam, são depreciados. E quando esgotam todos os ataques, os favoráveis à doação de órgãos revelam o motivo real pela qual decidiram doar:

- E se você precisar de um órgão amanhã? Vai continuar dizendo que não vai doar?

A resposta já foi dada por ela mesmo, em alguns parágrafos anteriores. Não é porque tem atropelamentos que eu não vou sair na rua não é mesmo? Por que este argumento vale em certos momentos e em outros não, na mesma discussão?

Seguindo a lógica do atropelamento, o fato de eu precisar de um órgão no futuro, não significa que eu tenho de ser um doador. Eu posso ter cancer, AVC, Infarto. Tudo pode acontecer no mundo em que vivemos. Podemos estar vivos hoje e amanhã não mais. E?? Quer dizer então que se eu não me declarar doador não terei direito a um órgão? Então neste caso, só poderão receber órgãos aqueles que de alguma forma já doaram efetivamente?

Mas o que este argumento revela mesmo, é que o brasileiro não é doador por amor ao próximo, como propaga. Ele é doador com medo de precisar amanhã. Não tem nada a ver com solidariedade. Tem a ver com a auto-preservação. Tem a ver com egoísmo do mais puro e sincero! 

Eu vou doar para poder receber amanhã. Não estão pensando no próximo e sim na sua salvação.

Nas redes sociais, onde as pessoas exibem o melhor de si, ser doador de órgãos é Cult. É nobre! As pessoas admiram tais atitudes. Se Fernandinho Beira Mar se declarar doador de órgãos será perdoado pela sociedade!

Como cantava a Blitz

Todo mundo quer ir para o céu
mas ninguém quer morrer!

Um comentário:

  1. É como vc escreveu no primeiro livro: todo artista é a favor de doarmos os NOSSOS órgãos, mas qts astros da música ou da TV já doaram os deles?

    ResponderExcluir