Desembargadores comprados

Desembargadores comprados

terça-feira, 18 de março de 2014

A farsa da Campanha da fraternidade de 2014

Que me desculpem os catolicos, mas a minha fé ainda é maior pelo meu filho.

Eu sou fui catolico de batismo, e frequentei muitas vezes a igreja. Paulinho foi batizado pela igreja catolica em Sao Bernardo do Campo, na mesma igreja em que fui batizado. E la tive minhas primeiras decepçoes. Os padrinhos foram rejeitados porque eram menores de idade, e menores de idade nao "passavam" a mensagem de Deus adiante. Precisaria ser um padrinho mais velho, alertou a igreja. Escolhemos entao padrinhos mais velhos.

Para enfeitar a igreja, fomos obrigados a contratar um serviço proprio da igreja. Eles nao aceitavam serviços de outras empresas. Depois disso, percebi que estava diante na verdade de um comercio, e que meu lugar definitivamente nao era ali. Vale lembrar que o batismo e o meu casamento, tambem foram cobrados. A minha filha Adriana foi batizada, mas eu nao participei. O batismo dela nao fazia nenhum sentido para mim, como nao faz até hoje. Ja a minha filha Cleo, nao foi batizada. Ela tera o direito de escolher o que deseja para si.

Este ano, a igreja catolica lançou a Campanha da Fraternidade, cujo tema é trafico de pessoas (esta na moda). Dentro deste tema, nao da para negar a existencia de uma rede especializada em obter orgaos para transplantes. E entao a CNBB (Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil) aceitou se engajar nesta variavel tambem. 

Como sempre faço, enviei um e-mail para a CNBB (ja tinha feito isto no passado), pedindo apoio para que casos como o do Paulinho fossem divulgados e nao caissem na vala da impunidade. Afinal, nao adianta fazer uma campanha contra o trafico de orgaos, e deixar que a impunidade tome conta. Para que serve a campanha? Para no minimo alertar, imagino!

Apos alguns dias, recebi um fraterno e-mail do Pe. Luiz Carlos dizendo:
Paulo,
minhas saudações.
li seu e-mail.
A Campanha da Fraternidade deste ano trata justamente sobre o tráfico humano. O crime relatado se insere no tema. Se puder nos envie mais informações. Vamos analisar com toda seriedade o fato e dar um encaminhamento.
Aguardo.
Fratt.
Pe. Luiz Carlos
Secretário Executivo da CF-CNBB
Fiquei feliz em obter uma resposta da Igreja. Afinal, da primeira vez que escrevi ha muitos anos, eles me responderam pedindo para que excluisse os endereços de contato deles da minha lista. 

Como sugeriu o padre, enviei uma copia do livro e da sentença, explicando as facilidades que estes condenados estao tendo para escapar das puniçoes. Alguns minutos depois, recebi este e-mail:
This is an automatically generated Delivery Status Notification
THIS IS A WARNING MESSAGE ONLY.
YOU DO NOT NEED TO RESEND YOUR MESSAGE.
Delivery to the following recipient has been delayed:
     campanhas@cnbb.org.br
Message will be retried for 1 more day(s)
Ok! Pensei. Pode ser que o e-mail nao aceite arquivos anexos. Entao reescrevi o e-mail explicando que nao havia conseguido anexar documentos e reenviei. E para a minha surpresa o e-mail retornou novamente com a mesma mensagem. Tentei por mais algumas vezes e todas elas foram retornadas. 

Sera que o Padre bloqueou meu e-mail?

Talvez a resposta esteja em um texto enviado por um amigo catolico, que mostrou um pouco de preocupaçao com a noticia. Trata-se desta noticia (clique aqui para ler).

Vou republicar apenas uma parte aqui. O começo do texto ja explica tudo.
Brasília, Brasil, 08 mar 2014 (Ecclesia) - O secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Leonardo Steiner, explica que ao abordar o tráfico humano os bispos do Brasil querem também reforçar “a importância dos transplantes de órgãos que salvam milhares de vidas.
“Ao abordarmos o tráfico humano lembramos a importância dos transplantes de órgãos que salvam milhares de vidas todos os anos, em todo o mundo” e “ao combatermos todos os modos de tráfico humano lembramos que a doação de órgãos é sinónimo de esperança de vida! Ela é apoiada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil”, escreve.
O também bispo auxiliar de Brasília cita João Paulo II que disse que “a doação de órgãos é o maior gesto de amor ao próximo que pode ser feito por todos nós.”
Qualquer tipo de comércio de órgãos é proibido por lei e é combatido pelos médicos. 
Vale lembrar que a ultima frase sequer consta no link acima. Ela esta publicado junto ao mesmo texto no site da CNBB. Combatido pelos medicos? Ou feito pelos medicos?

Agora voce ja pode doar o dizimo, e tambem os orgaos, ali mesmo, na propria igreja. Nao ha ato mais nobre do que se sacrificar pelos outros. 

E eu achei que a campanha era contra o trafico de orgaos!?? Mas que idiota eu sou nao? Nao ha uma mençao sequer a frase "trafico de orgaos", que foi cuidadosamente substituida pela frase "doaçao de orgaos salva vidas".

Tem gente matando para vender orgaos? Tem sim! Mas a igreja prefere incentivar a doaçao de orgaos e calar-se diante dos crimes praticados! Uma grande e bela jogada do marketing de Jesus. Ao aderir a campanha contra o trafico de orgaos - fraternalmente diga-se de passagem - voce estara incentivando que as pessoas continuem doando, sem que o crime seja discutido.

Para dar mais enfase, o Dom Leonardo Steiner, cita Joao Paulo II, recentemente transformado em santo milagreiro da igreja. 

Eu cito o Papa Bento XVI: (clique aqui para ler) ou leia no Estado de S.Paulo
O papa Bento XVI condenou o tráfico de órgãos humanos, chamando-o de ato abominável nesta sexta-feira, 7, e pediu cautela na hora de remover órgãos para transplantes, pois os doadores podem ainda não estar mortos.  
"Os abusos no transplante e tráfico de órgãos, que geralmente vitimizam pessoas inocentes como as crianças... devem ser condenados decididamente como abominações", disse.
"Não deve haver a menor suspeita de arbitrariedade. Onde não for possível verificar (a morte), o princípio da precaução deve prevalecer", afirmou.
Ja o Papa Francisco, tambem se manifestou sobre o assunto: (Leia aqui)
"Não se pode permanecer impassível sabendo que existem seres humanos tratados como mercadorias, crianças adotadas para remoção de órgãos, mulheres enganadas e forçadas à prostituição, trabalhadores sem direitos e sem vozes: tudo isso é tráfico humano", afirmou Francisco.
A que ponto chegamos? 
Até a igreja brasileira esta com medo de falar sobre isso?
Que poder é este, que mesmo causando a morte de tantos inocentes, recebe apoio até mesmo da igreja?

Trata-se da manipulaçao explicita do povo. Se engajam em uma campanha contra o trafico de orgaos e descobrem que estao apoiando a doaçao de orgaos a qualquer custo. Mesmo a custo da vida de inocentes. 

Nao demora muito e o padre Marcelo Rossi, estara fazendo musicas para apoiar a doaçao.

Resta apenas sugerir um tema para o ano que vem: combate a PEDOFILIA nas igrejas.

4 comentários:

  1. Você tem procurar a igreja evangélica também . Acredito que o padre marcelo Rossi poderia sim falar sobre esse assunto ele não tem medo . Sempre fala dos políticos e roubos no Brasil . Tenta falar com ele . Vc no colo de Jesus e sua página no face e todos os dias das 09:05 as 10:00 ele tem programa ao vivo na fm 1150. Site dele padremarcelorossi.com.br . Sempre coloco você em orações pedindo justiça . Abs Alessandra

    ResponderExcluir
  2. Paulo a igreja tbm é uma forma de alienação do povo como vc bem sabe...o que será da igreja qdo as pessoas refletirem e se derem conta de que NÃO PRECISAM DELA para se encontrar com Deus,q a qualquer momento,a qualquer hora,sem precisar de um LOCAL OU DE UM PADRE(PASTOR),podem fazer esse encontro,que basta ter fé e praticar o bem sem ver A QUEM,que a conexão com a energia DIVINA acontece,quando esse dia chegar(se é q chegará),a igreja acaba de vez,abraço Cintia(Belém-PA)

    ResponderExcluir
  3. A Igreja sempre foi conivente com diversos tipos de crime.
    Este é apenas mais um.
    Quer máfia mais forte do que a máfia da Igreja Católica?
    Não salva um.

    ResponderExcluir
  4. Bingo!Bravo Paulo!
    Entendi! a Igreja de Roma "lava as mãos" , faz voto de silencio,faz promoção daquilo que foi condenado pelo Papa Bento XVI e ainda leva esmola na sacolinha.

    ResponderExcluir