Desembargadores comprados

Desembargadores comprados

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Justiça de merda + corrupção = Brasil

Muito bem! Todos que seguem o caso devem ter acompanhado as últimas notícias não é mesmo? Os bandidos, depois de transferidos ilegalmente, com a ajuda do TJMG, como eu havia "premeditado", foram liberados para voltar ao convívio social. Segundo o STF, a prisão era ilegal e não tinha fundamento. 3 condenações sendo que uma em 2a instância, não é fundamento o bastante.

Vocês devem conhecer o caso do garoto Bernardo Uglione, morto pela madrasta. Pois é. Os assassinos estão presos desde que foram descobertos e não serão soltos. Eles não podem recorrer ou aguardar o julgamento em liberdade. Qual o fundamento neste caso? 

Se a prisão dos assassinos do meu filho, já condenados, não tem fundamento, porque os assassinos de Bernardo Uglione continuam presos, se nem condenados estão? Qual a diferença? 

A diferença meus caros amigos, é o dinheiro. Uns dirão: Cada caso é um caso! Sim, mas a constituição é para todos. Aliás, quantos não estão presos sem condenação? Por que não soltar todo mundo? 

Qual o critério? O critério é dinheiro, poder político e manipulação.

O caso Bernardo é publicado com destaque em toda a imprensa, sempre que há alguma novidade. O caso Pavesi você não vai ler na grande imprensa com destaque. O que a imprensa publica está basicamente no G1, nas páginas regionais.

Bernardo também é um garoto diferente de Paulinho? 

Não! A constituição diz que todos somos iguais perante a lei. Será? 
Por que o caso Paulinho não pode ser publicado?
Por que o próprio sistema judiciário quer punir o juiz que mandou publicar a sentença?
Por que os assassinos de Bernardo devem ficar presos e os assassinos do meu filho e de mais 7 pessoas devem ir para a rua?

Qual o critério?

O critério, meus amigos, é bastante simples: Uma justiça de merda + desembargadores e procuradores corruptos + imprensa covarde = impunidade para uns, e rigor para outros.

E ai justiça?

Diga-me o quanto vocês cobram. Quem sabe não fazemos uma vaquinha?

Nenhum comentário:

Postar um comentário