Desembargadores comprados

Desembargadores comprados

quarta-feira, 23 de julho de 2014

O que voce precisa saber sobre o julgamento

Estamos a 7 dias do inicio do julgamento do medicos envolvidos no assassinato de Paulo Veronesi Pavesi, 10 anos, meu filho. 

Tenho recebido dezenas de e-mails perguntando detalhes sobre o julgamento e principalmente, alertando para o fato de que Mosconi e sua quadrilha comandam a populaçao de Poços de Caldas.

Eu nao tenho duvida de que Mosconi controla a cidade em todos os campos, ou em quase todos os campos. A leitura que devemos fazer deste julgamento é justamente o contrario! Explico:

- O processo em questao, teve inicio com as investigaçoes das autoridades federais, a sabe: Ministerio Publico Federal e Policia Federal. No ambito estadual, vale lembrar, que tudo foi arquivado. A policia civil de Poços de Caldas (que firmou acordo para nao realizar necropsias em doadores de orgaos) realizou inquerito que concluiu que eu, o denunciante, era o responsavel por avisar a impressa (Rede Globo), e que os medicos eram todos inocentes. A auditoria municipal - feita pela esposa de Scafi (um dos acusados) - tambem conclui que nada de irregular havia sido encontrado. Tudo nao passava de um boato. 

Mosconi determinou que o caso fosse levado para Poços de Caldas, onde ele comanda. Para comprovar este comando, basta ver que muitos promotores de justiça nao aceitaram levar o caso adiante. Ou por medo, ou por represalia de Mosconi, ou até mesmo pela oferta de alguma compensaçao que poderia ser um cargo ou beneficios dentro da carreira. Um destes promotores tentou arquivar tudo e em seguida aposentou-se, mas a farsa foi descoberta e os casos foram "ressucitados". 

Portanto, eu nao espero que o juri condene os medicos, pois ha uma pressao muito grande contra estes jurados. Eles vivem em Poços e vao sofrer represalias com certeza. A inversao que citei no inicio deste texto é que Mosconi nao fazia ideia da reviravolta que tudo isto teria, com a chegada de um juiz que ele nao conseguiu controlar. Isto nao estava no script. Em varios comunicados a imprensa, Mosconi e sua trupe, dava como certo o arquivamento de tudo, sem que nenhuma gota de sujeira restasse em suas carreiras. 

Mosconi sequer imaginava que seria investigado, pois isto jamais aconteceu em Minas Gerais. Todos os escandalos que Mosconi se envolveu foram todos contornados e abafados, ao estilo do coronelismo que ele tao bem pratica. 

Chegamos em um ponto em que a Justiça Federal reconhece que a Central nao tinha registro, mas absolve todo mundo, dizendo que foi apenas "um erro". Um erro que desvio orgaos da fila unica do estado, privilegiando quem fazia doaçoes em dinheiro para a Central. A central - diga-se de passagem - que sequer possuia um CNPJ. No meio da confusao, misturaram um antigo banco de olhos com a ONG, como se ambas fossem a mesma coisa. E nunca foram!

Enfim, independentemente do resultado deste julgamento, me considero um vitorioso. Na historia de Poços de Caldas, e quem sabe de Minas Gerais, nunca alguem foi tao longe em uma luta com pessoas de tanto poder. Estamos a um passo de mais uma etapa e que nao é o termino desta historia. 

Meu segundo livro ja esta em andamento e ainda aguardo a conclusao de algumas etapas. Outras estao surgindo inesperadamente, mas fazem parte de todo este carnaval que se tornou o caso Pavesi. 14 anos para ser julgado, varios assassinatos, sumiços de provas, e autoridades fugindo da verdade como o diabo foge da cruz.

Sinto-me realizado por tudo o que consegui. No Brasil, o pouco que avancei pode ser considerado uma grande vitoria. 

A grande surpresa é que, embora distante, farei parte deste julgamento conectado diretamente ao Tribunal.  

Respeitavel publico!
Que tenha inicio o Circo!

2 comentários:

  1. Parabéns Pavesi! Você é um vitorioso em âmbito nacional.
    No aguardo deste julgamento, no aguardo do segundo livro.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Pavesi! Você é um vencedor em âmbito nacional, o que está fazendo é inédito.
    No aguardo do segundo livro e mais mais ainda no aguardo deste julgamento.

    ResponderExcluir