Desembargadores comprados

Desembargadores comprados

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Recordes!

Ontem o livro "Trafico de Orgaos no Brasil - O que a mafia nao quer que voce saiba" atingiu o numero de 7.500 exemplares distribuidos, considerando todos os canais de distribuiçao!

O blog ontem teve o recorde de visitas, atingindo 4.329 visitas!

3 comentários:

  1. Independente de qualquer resultado futuro de qualquer processo, o mundo sempre ficará sabendo. A história vai punir os criminosos melhor que a justiça.

    ResponderExcluir
  2. Está ficando com estilo Monty Python de humor? ;) ri litros.
    Bem, acabo de 'aliciar' mais dois possíveis leitores par ao blog. Trabalho de colibri tentando apagar incêndio em florestas, mas de gota em gota, um dia, quem sabe...
    Se Galileu só foi reconhecido tantos séculos depois como tendo razão, acho que vc tem até bom prognóstico, melhor do que ele que não tinha essa maravilha que é a internet.
    Sempre que a RBS lança matérias piegas sobre transplantes, como a de hoje, desfio meu rosário de perguntas e verdades inconvenientes. Se não tenho muitos 'likes', e não comento para isso, ao menso não tem tido muitos ataques raivosos defendendo transplantes, apesar das piegas de sempre cantando odes e louvores aos heróis doadores e seus familiares.
    Uma das campanhas que estão em destaque no Brasil, já deve saber, é o da menina Sophia que nasceu em SP, com uma doença rara, cuja única chance de sobrevivência pode vir de um transplante de 5 ou 6 órgãos, todo o sistema digestivo praticamente, e está no EEUU internada no único hospital que faz tal operação, os médicos são catarinenses, só pelo SUS o custo vai ser de 2 milhões de reais que a Justiça mandou pagar, fora os outros 2 que arrecadaram com campanhas na web e na Tv com ajuda de 'famosos'. Dinheiro à parte, que se dividido por milhares de doadores nem é tanto assim, fica o lado sombrio da novelinha mexicana e chorosa que ninguém toca: para que essa criança com tantas deficiências viver, OUTRA criança, um bebê nos EEUU, tão lindo, fofo, amado e SAUDÁVEL terá de MORRER par ter seu corpinho esvaziado. Uma vida pela outra. Por que é disso que se trata u transplante que não seja entre vivos, não é medula, não um rim, não é u pedaço de fígado...Um coração, por exemplo, depende de um morrer para outro ganhar.

    cont...

    ResponderExcluir
  3. A matéria de hoje no DC foi essa, caso queira ver como douram a pílula de um lado escondendo o lado sinistro.
    http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/geral/noticia/2014/07/homem-que-recebeu-transplante-de-coracao-conhece-familia-do-doador-no-norte-de-sc-4556006.html

    Essa foi minha argumentação em ambas as matérias do DC. Uma vida pela outra. Alguém jovem e SAUDÁVEL precisa morrer de forma prematura e de acidente [ mesmo que seja acidente vascular cerebral] , em geral traumatismo craniano com lesão cerebral grave, mantido vivo apenas para preservar demais órgãos que serão retirados. Quem precisa é natural que queira um órgão, mas é preciso encarar a verdade inconveniente que está REZANDO e pedindo a DEUS que outro morra em seu lugar. Tudo muito cristão e santo, não? Só mostram o lado que dá certo, quando fracassa não mostram nada e nunca. Doação só de sangue, medula, talvez um rim ou parte de fígado. Entre vivos. Transformar pessoas em carcaças, sucatas como carros que são canibalizados para as peças serem usadas em outro pode ser tudo, menos coisa nobre. Necessária talvez, nobre jamais! Quem doa, nunca terá certeza de que fizeram tudo para salvar a vida do potencial doador. Ricos não são abordados para doar peças de seus filhos. Nunca se soube de filhos de médicos mortos que tenham virado doadores. Por isso não mostram estatísticas porque elas não existem. Se fosse tão seguro e nobre, os médicos seriam os primeiros a doarem seus órgãos e de familiares, incluindo corpos para estudos nas faculdades. Tudo muito bonitinho e piegas, mas existe o lado perverso que escondem! Quando a lei seca foi aprovada e começou a dar queda dos acidentes graves teve muita gente da área médica de transplantes querendo reverter a lei, reclamando da queda de 'oferta' de acidentados jovens para retirada de órgãos e o aumento na fila de espera para órgãos. Fim da picada! A medicina não tem cura para tudo, infelizmente, apesar dos avanços consideráveis. Enquanto não vem a cura ou órgãos produzidos por clonagem, sem ser de mortos, é preciso ter grandeza para aceitar que não somos eternos, todos vamos morrer um dia. Egoismo perverso de quem não aceita a finitude e quer viver mais a qualquer preço, querendo que outros morram no lugar. A verdade sobre transplantes poucos ousam mostrar, tanto que não mostram os casos de fracasso e se o receptor que morreu, já que recebeu um órgão, virou também doador, nem que seja de córneas, pele, ossos, dentes...Coisas que podem ser retiradas mesmo de cadáveres não tão fresquinhos. Matam gente para retirar órgãos, é fato e não lenda urbana. Leiam os processos no Paulo Pavesi que teve o filho morto para retirada de órgãos. Ademais, é altamente desaconselhável que se promova encontro entre receptor e familiar de doador que faleceu. Mas ética em transplantes é coisa que não existe, é só show na mídia, desde que os mortos carneados não sejam médicos, dentistas, demais atores da saúde, e seus familiares. Sem contar as celebridades. Ou alguma equipe de 'santos psicólogos e assistentes sociais' sondaram o cantor Leonardo para uma futura doação das peças dos filho dele que só foi salvo graças ao dinheiro que pagou todo o empenho e o alto custo da medicina de ponta que o 'salvou'.?


    A outra matéria é http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/noticia/2014/07/bebe-que-precisa-do-transplante-de-cinco-orgaos-aguarda-doador-nos-estados-unidos-4548027.html

    Note como a 'arte' feita pelo jornal explicando o transplante mostra o receptor como um bebê maior, com rosto e nome. O que representa o doador é só uma silhueta de um 'bebê', menor, sem nome sem rosto... O efeito disso na mente de quem lê é : o que importa é o bebê receptor, o doador não é relevante, é questão 'menor'.

    ResponderExcluir