Desembargadores comprados

Desembargadores comprados

terça-feira, 30 de agosto de 2016

A minha querida Valéria

Após denunciar que o assassino do meu filho, cujo julgamento o TJMG se nega a fazer para protege-lo, está trabalhando livremente em Jundiai, onde pude perceber muita gente insatisfeita com o seu atendimento, uma tal de Valéria me escreveu o seguinte e-mail. Eu prometi para ela que publicaria em meu blog, única instância em que eu ainda posso recorrer.

O Título do e-mail é: Trabalho mal feito.
Boa noite, sr!
Nao acho interessante que para se promover seja usado o nome de uma instituição de tantos anos como o hospital santa eliza. Acho que se realmente tem um propósito, e uma luta, deveria direcionar para o lado correto, para os verdadeiros culpados.
Achei de muito mal gosto a publicação no face sobre o trafico de orgaos no hospital santa eliza, em nome de um dito medico, como se o profissional nao tivesse como responder por seus atos, pra que o registro no crm entao, se a culpa sera do hospital.
O pior ainda, foi o fato de justamente no dia em que houve uma doação de vários orgaos em jundiai, que salvara vidas, ser publicado essa porcaria, falar bem nao promove ninguem neh!
Tenho um comentário mais acido a respeito desse assunto, mas nao vou perder mais o meu tempo!
passar bem!
Valérinha. Acho que seus clientes não te procuraram hoje e sobrou um tempo para me mandar e-mails. Eis a minha resposta.

Só mesmo uma vadia poderia achar que eu estou procurando promoção. Estou apenas informando os habitantes de Jundiai que, há um assassino trabalhando em um hospital da cidade. Como ninguém sabia disso, significa que fiz um bom trabalho. Álvaro Ianhez estava escondidinho no hospital, trabalhando como um médico honesto (que não é), sem que ninguém soubesse. Se a instituição é tão correta, deveria selecionar melhor seus empregados.

Você achou de mal gosto a minha publicação? Pois é. Eu achei de mal gosto retirarem os órgãos do meu filho quando ele ainda estava vivo. E mais! Mau gosto foi o seu em me escrever para defender um assassino. Ele pode sim responder pelos seus atos e não é o hospital quem deve protege-lo, dando emprego até que o caso termine. Aliás, o caso se arrasta por 16 anos, porque Álvaro Ianhez comprou desembargadores mineiros para que tudo ficasse esquecido na gaveta. O Juiz que fez o processo andar, foi ameaçado e precisou mudar de cidade. 3 testemunhas foram mortas à tiros.

No outro parágrafo, você acaba se entregando. Está preocupada com a doação de órgãos que teve na cidade, justamente quando eu informei o que estava acontecendo. Opa!!! Me parece que quem estava preocupada com promoção era você! Achou que fosse fazer a festa com a morte de uma pessoa inocente que virou doador de órgãos (sabe-se lá como), e eu acabei estrangando. Ownnnn que peninha.

Adoraria ler o seu comentário mais "ácido". Seria muito divertido.
Valerinha, minha amiguinha. Vai atender aos seus clientes e não se esqueça de usar preservativos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário