Desembargadores comprados

Desembargadores comprados

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Você ainda quer doar órgãos?

Na olimpíada mais bizarra de todos os tempos, o técnico da delegação alemã de canoagem, sofreu um acidente de trânsito no Rio de Janeiro. O motorista do taxi em que estava, fugiu do local sem prestar socorro e Stefan Henze tardiamente foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado para o hospital Lourenço Jorge.


Neste hospital não havia neurocirurgião para atendê-lo, o que ocasionou a transferência de Stefan para outro hospital. Desta vez, o hospital escolhido foi o Miguel Couto. Foi submetido a uma cirurgia, quando já não havia nada a ser feito.

Então surge uma equipe especializada em transplantes para convencer a família e os amigos a doarem os órgãos. O diagnóstico de  morte encefálica é feito por um neurocirurgião (agora havia um disponível), e os órgãos foram retirados rapidamente e doados.

Não havia um neurocirurgião para salvar a vida dele, mas para decretar sua morte sim.

A retirada de órgãos, cirurgias e tratamento dos pós transplantados, vai gerar um lucro de mais de 500 mil reais para a equipe e hospital. A família do Alemão terá direito ao DPVAT (se é que o taxista pagou o seguro), pouco mais de R$ 13.500,00

Você ainda quer doar órgãos??

Se seu ente querido não tem direito a um neurocirurgião no momento em que precisa para salvar a própria vida, não é justo que outro neurocirurgião salve a vida de outro aproveitando os seus órgãos. Por este motivo, os transplantes estão crescendo. Não há mais empenho em salvar vidas traumatizadas pois, o lucro dos transplantes é muito maior. 

Estamos falando de um negócio e não mais de medicina. Você enxerga como medicina. Mas eles enxergam como negócio.

Pense nisso.

Um comentário:

  1. e isso que se trata do rio de janeiro e, mais grave, durante as olimpíadas... como assim não há neurocirurgião nem durante as olimpíadas?

    ResponderExcluir